quarta-feira, 7 de julho de 2010

A PREPARAÇÃO PSICOLÓGICA DE UMA EQUIPA DE HÓQUEI EM PATINS FEMININA



(...)

3 – Metodologia
O presente estudo tem como base e fundamento todo o trabalho de campo realizado ao longo de duas temporadas competitivas entre um treinador de hóquei em patins e uma equipa de hóquei em patins feminino.
Ao longo das duas temporadas, foi possível “conhecer melhor psicologicamente” cada uma das atletas, bem como melhorar as capacidades “psicológicas” das atletas darem uma “resposta”, mediante o que lhes era solicitado.
O facto de ajustarmos todo este “trabalho mental” de acordo com os objectivos que a equipa ia alcançando ao longo da competição em que estava inserida, conduziu-nos a resultados reais. Para nós, todos os jogos foram considerados importantes, independentemente do seu grau de dificuldade.
É legítimo levantar questões relativas à validade e fiabilidade do estudo. De qualquer forma o estudo reveste-se da maior importância graças ao seu carácter exploratório. Não conhecemos estudos que estejam publicados que abordassem a temática que nos propusemos explorar com o presente projecto.
Neste estudo pretendemos registar a influência das variáveis autoconfiança, pensamentos positivos, atenção e motivação numa equipa de hóquei em patins feminino ao longo das suas provas de competição com especial incidência para as semanas de treino que antecediam os jogos decisivos para a equipa alcançar os seus objectivos.
3.1 – Caracterização Geral da Amostra
A amostra alvo deste estudo foram 12 atletas da equipa sénior feminina do Clube Hóquei dos Carvalhos (Portugal), com idades compreendidas entre os 14 e os 26, que disputaram o Campeonato Nacional de Portugal nas épocas de 2006/2007 e 2007/2008.
3.2 – Objectivos
Pretendemos realçar a importância de 4 variáveis para o êxito de uma equipa de hóquei em patins feminino ao longo da competição.
3.3 – Variáveis
Autoconfiança; Pensamentos Positivos; Atenção; Motivação.
3.4 – Instrumentos
Ao longo de duas temporadas introduzimos alguns hábitos/rotinas na equipa, de modo a que as mesmas fizessem parte do dia-a-dia da equipa. Esses hábitos/rotinas “procuraram facilitar” a tarefa do treinador ao longo da época e ajudar a equipa a alcançar os objectivos previamente traçados.
Optamos quase sempre por diálogos em grupo. Os diálogos individuais apenas surgiram em determinadas fases da época para que as atletas nunca se apercebessem disso.
O nosso indicador de resultados de estudo foram sempre os resultados que a equipa foi obtendo em cada jogo do campeonato. Após cada jogo foi efectuado um registo a nível individual e colectivo da performance das jogadoras, bem como da equipa, quer a nível físico, quer a nível psicológico. Esse registo serviu para orientarmos o nosso trabalho, fazer adaptações e correcções, bem como para orientar este estudo.
Salientamos ainda, que de acordo com o formato da competição do Campeonato Nacional Feminino de Portugal, a equipa tinha os seguintes objectivos gerais em:
- 2006/2007: Conseguir o Apuramento para a Fase Final (após 6 épocas de ausência); Não ficar em último lugar na Fase Final e passar a 1ª eliminatória da Taça de Portugal.
- 2007/2008: Melhorar os resultados e classificações obtidas em 2006/2007, ter jogadoras na selecção de Portugal e atingir um dos cinco primeiros lugares da classificação geral da Fase Final do Campeonato Nacional.
3.5 – Procedimentos
Ao longo das duas temporadas introduzimos as seguintes “rotinas/hábitos” na equipa:
- Reuniões semanais antes do primeiro treino semanal;
- Observação/Informação da equipa adversária (suporte papel e vídeo);
- Reuniões preferencialmente em grupo;
- Transmissão de muitos pensamentos positivos à equipa, independentemente dos resultados obtidos em competição;
- Nunca repreendemos nenhuma jogadora em grupo. Sempre o fizemos de forma individual;
- Valorizamos sempre o grupo de trabalho e o espírito de equipa;
- Colocamos sempre vários objectivos à equipa com uma frequência semanal;
- Todas as semanas que antecediam um jogo colocávamos uma frase em suporte papel no balneário da equipa com uma mensagem, ou com algo que uma atleta da equipa adversária tivesse afirmado acerca do jogo;
- Adaptamos as situações de treino a situações reais que poderiam suceder à equipa durante o jogo importante, tais como: treinar durante a semana com muito ruído no pavilhão, treinar a marcação de livres directos e de grandes penalidades sob pressão, treinar a situação de prolongamento com golo de ouro, etc.;
- Nunca alteramos hábitos ou rotinas de treino técnico/tácticas;
- Nunca utilizamos a frase “temos de ganhar” ao longo das duas temporadas.
- Antes de cada jogo importante o discurso do treinador nunca foi superior a 8 minutos e teve sempre as seguintes características: discurso sucinto; relembrar dos pontos fortes e vulneráveis do adversário; relembrar o que a equipa tem de fazer; palavras de incentivo e grito de “equipa”;
- Durante cada jogo importante, a atitude do treinador foi sempre a seguinte: incentivar e corrigir constantemente as atletas; realizar vários gestos para as atletas; utilizar um tom de voz mais elevado para motivar as atletas ou para fazer alguma correcção técnico/táctica; utilizar sempre várias palavras de motivação;
- No final de cada jogo importante e independentemente do resultado: felicitar sempre as jogadoras pelo seu desempenho; realçar os aspectos positivos e deixar os negativos para serem corrigidos ao longo da semana de treinos;
- Nunca fez parte do discurso do treinador em momento algum as palavras: “perder”, “não conseguir” e “desastre”;
- Focar sempre as atenções das atletas para o jogar bem e o saber que fazer em campo;
- Depois da primeira análise à equipa adversária, focar os treinos e o diálogo do treinador para a tarefa colectiva da equipa e individual de uma ou outra jogadora.
- Ouvir as atletas nas semanas que antecedem os jogos decisivos.(...)
5 – Conclusões
Tendo em conta todos os procedimentos por nós adoptados (“rotinas/hábitos”), os resultados desportivos e as classificações que a equipa de hóquei em patins feminino do Clube Hóquei dos Carvalhos alcançou ao longe de duas temporadas, concluímos que:
- As reuniões de grupo são do agrado das jogadoras de hóquei em patins feminino, desde que as mesmas não sejam exaustivas e sejam objectivas. Isto aumenta a motivação das jogadoras para a competição.
- As reuniões semanais antes do primeiro treino, onde o objectivo principal é analisar o próximo adversário estimulam a autoconfiança das jogadoras e ajuda as mesmas a centrarem a sua atenção na tarefa que terão de realizar.
- Realizar observação da equipa adversária em suporte vídeo, não deve ter uma duração superior a 8 minutos. Se a informação for compactada para o essencial, aumenta a atenção das jogadoras.
- Realizar observação da equipa adversária em suporte papel deve conter uma informação curta e objectiva (pontos fortes e pontos vulneráveis do adversário). Pois aumenta a atenção das jogadoras e estimula positivamente a sua autoconfiança.
- Transmitir pensamentos positivos à equipa, independentemente do resultado obtido no jogo anterior, aumenta a motivação das jogadoras para o próximo jogo. Estes pensamentos positivos devem ser simultaneamente reais e contextualizados.
- As jogadoras não devem ser repreendidas ou chamadas “à atenção” na presença da sua equipa, mesmo que exista razão ou razões para tal. Esse tipo de situação diminui drasticamente a motivação da jogadora e consequentemente baixa os índices de autoconfiança da própria. Sempre que uma jogadora tiver de ser repreendida pelo treinador, deverá ser à parte da restante equipa.
- Se valorizamos sempre a equipa/grupo em vez do individual, o treinador contribui fortemente para que o grupo de trabalho seja mais coeso e funcione como um bloco.
- Reformular objectivos semanalmente e acrescentar novos objectivos quer à equipa, quer em termos individuais aumenta a motivação e a autoconfiança das jogadoras.
- Colocar semanalmente uma frase subjectiva ou objectiva no balneário de uma mensagem que o treinador queira passar às jogadoras, reforça a autoconfiança, a motivação, a atenção e os pensamentos positivos das jogadoras. Cabe ao treinador ser perspicaz na frase que escolhe.
- Treinar situações reais que possam ocorrer durante o jogo decisivo aumenta significativamente a autoconfiança das jogadoras.
- Se o treinador alterar hábitos de treino ou rotinas de treino técnico/tácticas durante a semana que antecede um jogo importante, contribui para a diminuição da autoconfiança das jogadoras, para a desacreditação de alguns pensamentos positivos e consequentemente para o aumento do stress competitivo nas jogadoras o que poderá levar a que as jogadoras estejam menos motivadas para o jogo.
- Não utilizar a frase “temos de ganhar” pode de alguma forma diminuir os níveis de ansiedade, mas aqui concluímos que é uma situação relativa e que depende do tipo de carácter e perfil psicológico das jogadoras que constituem a equipa.
- Se o treinador utilizar antes do jogo importante um discurso que não seja superior a 8 minutos, que seja sucinto de modo a relembrar as situações que já foram abordadas ao longo da semana e que tenham palavras de incentivo, aumenta a atenção das jogadoras e a sua autoconfiança.
- Se o treinador utilizar uma linguagem e um comportamento menos adequado, as jogadoras tendem a distrair-se e a deslocalizarem-se das suas tarefas. Implica obviamente uma diminuição da autoconfiança, da atenção e da motivação das jogadoras.
- Durante um jogo importante de hóquei em patins feminino, se o treinador adoptar uma postura interventiva ao longo de todo o jogo, as jogadoras sentem-se mais motivadas, com mais confiança e reforçam a sua atenção.
- As jogadoras de hóquei em patins feminino gostam no final de cada jogo de serem felicitadas ou motivadas, dependendo do resultado do jogo importante.
- Não utilizar as palavras “perder”, “não conseguir” e “desastre” ao longo da temporada, por parte do treinador, ajuda a equipa a atingir os seus objectivos.
- As jogadoras de hóquei em patins feminino se souberem qual a sua tarefa em campo e como tem a equipa de se posicionar ao longo de um jogo importante, ficam mais motivadas, auto-confiantes e atentas às várias situações que o decurso do jogo proporciona.
- No decorrer de um treino que antecede um jogo importante, conversar de forma motivadora com uma jogadora que possa ser a jogadora com o papel mais importante na estratégia da equipa, motiva a jogadora e estimula a sua autoconfiança.
- As jogadoras de hóquei em patins feminino gostam que o treinador as escute, bem como dissipe algumas dúvidas referentes à equipa adversária ou à sua própria equipa. As jogadoras sentir-se-ão mais motivadas.
- O treinador pode criar situações ao longo da semana de treinos que antecede um jogo importante de modo a levar as atletas a acreditar que são capazes de superar as suas próprias capacidades.
- As três variáveis que mais contribuíram para o sucesso desportivo das jogadoras de hóquei em patins feminino foram a autoconfiança, a motivação e os pensamentos positivos.
Fonte: Hélder Antunes, "A Preparação Psicológica de uma Equipa de Hóquei em Patins Feminino", 2010