sábado, 30 de abril de 2011

VÁRIOS TRABALHOS/ESTUDOS DE HÓQUEI EM PATINS ESPANHÓIS

Quando muitos pensam que a Psicologia só recentemente se começou a "ligar" ao Hóquei em Patins ou ao Desporto em Geral, temos aqui estudo de 1991 e 1992 a dizer-nos que afinal o interesse não é assim tão recente.

Muitos dos leitores certamente já conhecem estes trabalhos, mas certamente que muitos mais ainda não conhecem. Outros, porém, poderão invocar a data destes trabalhos, uma vez que já têm 20 anos, mas um olhar bem atento e certamente se vê que não estão assim tão desactualizados.

Não sei é se o facto de no inicio da década de 90 existirem muitos estudos e trabalhos de Hóquei em Patins espanhóis está ligado com o sucesso que a Espanha começou a ter daí para a frente, nomeadamente na última década. Será que sim? Fica ao critério de cada de nós ajuizar isso...

Aqui ficam 5 trabalhos/estudos:

1 -"Intervenção Psicológica para a Selecção Nacional Olímpica de Hóquei em Patins".

Clicar na imagem para ler na integra



2 - "Valoração Funcional do Jogador de Hóquei em Patins" - 1991

Clicar na imagem para ler na integra



3 - "Evolução Histórica do Hóquei em Patins" - 1991

Clicar na imagem para ler na integra


4 - "Táctica e Estratégia no Hóquei em Patins" - 1991

Clicar na imagem para ler na integra


5 - "Aspectos Psicológicos do Hóquei em Patins" - 1991

Clicar na imagem para ler na integra 

quarta-feira, 27 de abril de 2011

A GRANDE "LACUNA" TÉCNICA DO HÓQUEI EM PATINS

Publicação de Opinião Pessoal - Hélder Antunes

Actualmente o Hóquei em Patins possui regras de jogo que tendem a proteger os jogadores supostamente mais técnicos, mas a questão que nos esquecemos de fazer é “onde estão esses jogadores técnicos?”
Não estou munido de dados oficiais, nem de estudos científicos, para me questionar nesse sentido. Apenas me questiono tendo em conta aquilo que observo ao longo de várias jornadas em vários escalões há já pelo menos 23 anos.
Na minha opinião e porque conheço bem outras modalidades, as nossas regras de jogo foram muito “apadrinhas” de outras modalidades. Até aqui tudo bem, só que porventura nas outras modalidades os jogadores técnicos ou evoluídos tecnicamente estejam a crescer e no Hóquei em Patins estarão a crescer esses jogadores técnicos? Não, penso que não e acho que até decrescem a um ritmo rápido. Mas quem sou eu para afirmar tal. Talvez um pormenor que tenha escapado e talvez este pormenor venha a ser pormaior…
Estamos desviados do cerne da questão. E este é um assunto ou um tema de extrema vitalidade para a modalidade.
Quando muitos se questionam com a falta de visibilidade do Hóquei em Patins nos meios de comunicação, quando muitos ainda se questionam e pensam que o problema da modalidade está em não ser olímpica, quando muitos se questionam por questões que não fazem sentido questionar, não haverá ninguém a questionar-se sobre isto? A baixa qualidade técnica do jogador actual de Hóquei em Patins…
Quando aqui expresso qualidade técnica é num sentido global, desde a técnica da patinagem, à técnica de manuseamento de stick com a bola, técnica e táctica individual, etc.
Que produto queremos então oferecer às televisões? Regras novas, mais aliciantes que protegem os tecnicistas, mas onde estão esses jogadores tecnicistas?
É aqui que penso que está a grande “lacuna” técnica do Hóquei em Patins. É na formação de novos jogadores.
As dificuldades financeiras e a rentabilização dos espaços nos clubes sofreram grandes alterações nos últimos tempos e esquecemo-nos de nos adaptar.
Bons treinadores não faltam por aí, mas a treinar a formação poucos são os que abraçam esses projectos, uns por falta de ambição e crença em si mesmos e outros por falta de meios. Consequência disso é que nos dias de hoje a maior parte dos clubes tem a sua formação e as suas escolinhas entregues a jovens voluntariosos que dão o seu melhor, mas o apetrechamento de conhecimentos não se realizam em 2 dias e como tal esta tendência poderá não favorecer ninguém. Pelo menos se não estiverem devidamente acompanhados por “alguém”.
Hoje em dia é muito fácil saber-se tudo e mais alguma coisa, pois toda a informação está a um simples clique na internet. Mas uma coisa é ter-se informação e outra coisa é ter-se formação, e conhecimento.
Os clubes dizem que cada vez mais terão de viver da sua formação, mas o certo é que os escalões de formação são os que menos treinam em dias e horas.
Isto faz algum sentido? Penso que não.
Um jogador de Hóquei em Patins completo faz-se com muitos km de treino também, entre muitas outras coisas mais como é sabido. Então uma modalidade de primor técnico, com regras a proteger a “técnica” e não há aposta na formação que levará a essa tal técnica e ao encontro desses tais novos jogadores técnicos.
Que ninguém espere que com 2 ou 3 treinos semanais de 45 ou 60 min nas diversas etapas de formação chega para se encontrar um “craque”.
Bem, um “craque” será possível encontra-se porque lá aparece sempre um miúdo com capacidades inatas que contraria isto, mas certamente não aparecerão muitos mais.
As crianças que praticam esta modalidade deveriam pratica-la todos os dias e o maior tempo possível.
Outro aspecto que muitos não têm em linha de conta e que influencia o não aparecimento de novos e bons talentos é o facto de uma criança hoje entrar num clube pela 1ª vez, amanhã já estar a treinar de stick na mão e depois de amanhã já está no seu 1º jogo.
Temos de nos convencer de uma vez por todas que assim não iremos produzir jogadores técnicos e que muito provavelmente dentro de alguns anos teremos de reformular todas estas regras de jogo porque deixarão de fazer sentido.
Sem bons patinadores não haverá grandes jogadores.
Programar, estruturar, inovar e captar são palavras que devemos ter bem presentes para contrariar esta tendência.
Programar linhas orientadoras na formação é fulcral.
Estruturar de forma lógica, sequencial e por níveis a formação é fulcral.
Inovar ao nível do treino na formação é fulcral.
Captar novos praticantes e em maior número é fulcral.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

ENTREVISTA A LILIANA GOMES – A 1ª MULHER TREINADORA DE HÓQUEI EM PATINS EM ENTREVISTA NO BLOGUE THP

 Foto Plurisports


Liliana Gomes (*) 
Treinadora da Equipa Feminina da APPorto

(*) Treinadora de Hóquei em Patins Nível 1 com especialização pela FADEUP da Universidade do Porto em Hóquei em Patins.
Como jogadora, possui um rico palmarés, tendo sido uma jogadora referência no Hóquei em Patins Feminino de Portugal, tendo iniciado a sua carreira no Clube de Hóquei dos Carvalhos onde aí conquistou 2 campeonatos nacionais, 1 taça de Portugal e 1 supertaça. Em 1999/2000 é distinguida com medalha de mérito desportivo pela câmara municipal de VN Gaia. Em 2001 muda-se para o CD Nortecoope, onde vence mais 2 campeonatos nacionais, 2 taças de Portugal e 2 supertaças. Em 2003 regressa a VN Gaia, mas ao ACRGulpilhares, onde se sagra Vice-Campeã Nacional, ficando a 1 golo do título e vence mais uma supertaça. Representou ainda por diversas vezes a Selecção Nacional de Portugal onde conquistou 2 Campeonatos da Europa e foi uma Vice-Campeã do Mundo no Campeonato de Marl na Alemanha e 4ª no Campeonato de Mundo que se realizou em Portugal.
Como treinadora iniciou a sua carreira em 2005 ao serviço do ACR Gulpilhares, como treinadora dos Benjamins masculinos e sub-15 femininos. Em 2006 muda-se para a região de Santarém por motivos profissionais, onde orienta a equipa de Infantis do Juventude Ouriense e forma nesse mesmo clube a 1ª equipa feminina de sub-15.


Blogue Treinadores de Hóquei em Patins - THP
Liliana Gomes – LG

"Quem trabalha o psicológico necessita de «ouvir» os atletas..."

THP - Fala-nos um pouco de como foi começar esta "aventura" de ser treinadora de Hóquei em Patins numa classe quase toda ela dominada pelo sexo masculino. O que te motivou? Onde começaste? Onde sonhas chegar um dia?

LG Iniciei esta “aventura” de treinadora no ACR Gulpilhares, sempre gostei de ensinar e fascina-me ver alguém aprender a patinar. Acho muito gratificante treinar as camadas jovens pois conseguimos “moldá-los” segundo as nossas ideias, apesar de ser bastante mais trabalhoso e de não vermos os resultados a curto prazo. De facto a discriminação existe, contudo não a vejo como um factor limitador para o desempenho desta actividade. Quando a mulher quer e gosta muito do que faz, consegue ultrapassar qualquer barreira, especialmente esta.

THP - Como vês o Hóquei em Patins Feminino actual, tendo em conta o panorama nacional? Para onde caminha?

LG  Sinto que o HP feminino está a evoluir positivamente. Este ano sente-se uma maior descentralização, as equipas estão mais equilibradas e o campeonato mais competitivo.
Acredito que actualmente ainda haja algum preconceito, talvez por falta de informação sobre a modalidade no feminino, o que dificulta uma maior adesão das raparigas. Este factor pode proporcionar menos atletas a treinar. Por outro lado acho que deverá ser dada uma maior atenção às atletas nas idades mais baixas, oferecer-lhes as mesmas condições de treino, de forma a desenvolverem um pouco mais as suas competências (de patinagem, técnica e táctica). Uma forma de colmatar este preconceito seria através da divulgação e informação junto das escolas e instituições sociais. Esta tarefa cabe a todos nós, treinadores, dirigentes, atletas… só assim o hóquei conseguirá alcançar todas as outras modalidades e acima de tudo… crescer!

THP - Como defines e o que diferencias do perfil da atleta actual e da atleta dos tempos em que jogavas?

LG Dos tempos em que joguei ficaram grandes e fortes amizades. Entre amigos costumo dizer que a nossa geração foi uma “geração de ouro”, pois reportando-me aqueles tempos recordo-me dos pavilhões, (nomeadamente o dos Carvalhos), repletos de adeptos curiosos e fulgorosos. Sentíamo-nos na obrigação de mostrar resultados e portanto jogávamos com muita garra, agressividade, responsabilidade e paixão. Para nós o Hóquei em Patins não era somente uma qualquer modalidade como o andebol, ou voleibol, sentíamos que estávamos na génese do que hoje é encarado com naturalidade para as actuais atletas. Tecnicamente e tacticamente penso que o perfil da atleta dos meus tempos e da atleta actual é muito idêntico, pois consegue observar-se um hóquei bonito, inteligente e tacticamente muito interessante.

THP - Todos nós sabemos que o Hóquei em Patins já viveu "melhores dias", nomeadamente ao nível da sua promoção e divulgação. O que pensas que faz falta ao Hóquei em Patins Nacional para voltarmos a andar "na boca dos portugueses"?

LG A minha opinião é que devemos divulgar mais junto dos locais onde temos “a matéria prima” ou seja os potenciais atletas. Podemos encontrá-los nas escolas, jardins de infância, ATL, salas de estudo e… porque não em shoppings? Outra boa opção é através dos meios de comunicação social. Quanto mais jogos forem transmitidos mais visibilidade tem a modalidade. Outra grande ajuda são os sites especializados tais como a plurisport, o mundo do hóquei, o cumhóquei, o besthóquei e sem esquecer também o thp que estão a fazer um excelente trabalho na divulgação.
 

THP - A nível técnico/táctico como vês o Hóquei em Patins actual (feminino e masculino)? Que diferenças existem entre a vertente feminina e masculina, se é que existem?

LG Com as novas alterações das regras verificou-se que a técnica sobrepõe-se à força e portanto há necessidade de trabalhar mais estas questões, assim como uma boa patinagem que é fundamental para proporcionar uma maior velocidade de jogo. Tacticamente o jogo está mais interessante, com menos contacto poderá haver mais desmarcações e a inteligência táctica impõe-se.
Relativamente às diferenças entre a vertente feminina e masculina claro que existem e são evidentes, nomeadamente em termos biológicos. É óbvio que uma atleta, dificilmente conseguirá atingir (pela sua estrutura física) a força e velocidade de um atleta. Em termos técnicos e tácticos sou de opinião que se a atleta for treinada de igual forma conseguirá atingir níveis elevados e idênticos ao masculino.

THP - Penso que é inequívoco a discussão em torno da importância do treino das capacidades físicas ligadas ao Hóquei em Patins e também ao treino da técnica e da táctica. E em relação à vertente psicológica? O que pensas do "Psicológico" no treino? Dá-lhes importância nos teus planeamentos? Que aspectos tens em consideração nesse âmbito?

LG Do meu ponto de vista os aspectos psicológicos são o cerne da evolução. Nunca conseguiremos obter nada de um atleta se ele não estiver motivado e por este motivo a motivação deverá estar sempre presente em todos os momentos.

THP - Qual é para ti o número ideal de jogadores que um treino de uma equipa sénior deve ter? Qual achas ser a idade ideal para que uma criança inicie a prática da Patinagem e do Hóquei em Patins?

LG Pela experiência que tenho penso que uma equipa de sénior deverá ter 11 atletas e não 10+1. Por questões motivacionais. Uma equipa pode sempre recorrer aos juniores (uma forma de ganharem experiência) e ter mais um jogador facilita em termos de castigos e lesões.

THP - Tendo em conta que podemos definir os treinadores em três diferentes tipos: "Ditador", "Democrata" e "Ama", onde para mim o "Ditador" é do género quero, posso e mando, o "Democrata" é o que negoceia e ouve todos e o "Ama" é o que deixa todos fazerem quase tudo o que querem, como te defines a ti como Treinadora e como defines para ti o Treinador Ideal?

LG Acho o treinador “ditador” e o “ama” bastante extremistas, considero-me uma treinadora “democrata” pois gosto de ouvir o que eles/elas têm para me dizer. Quem trabalha o psicológico necessita de “ouvir” os atletas, para os conhecer e assim poder motivar.
Para mim o treinador ideal é aquele que é rigoroso, metódico, humano, que tenta formar em primeiro lugar homens e mulheres, e só depois se preocupa em formar atletas.

THP - Quem são os teus treinadores referência? Aqueles que de certo modo te influenciaram e te marcaram (positiva e negativamente) um pouco e que hoje em dia marcam a tua personalidade enquanto treinadora?

LG Tive vários treinadores, mas aqueles que de certa forma me marcaram pessoalmente de forma positiva foram: o Rui Russo e o Jorge Bandeira pela motivação e garra que me passaram; o professor Ernesto pelo seu humanismo e capacidade de ouvir os atletas e o professor Jorge Lopes pelo seu rigor, conhecimento e respeito.

THP - Achas que os Treinadores de Hóquei em Patins partilham conhecimentos? Achas que essa partilha é importante para a evolução da modalidade? E se te disser que o blogue THP em 5 anos de existência já convidou de várias formas e para várias opções de partilha mais de 250 treinadores e somente uns 30 a 40 treinadores é que deram uma resposta favorável e que dos restantes nunca obtivemos quaisquer resposta. Será por aqui que devem caminhar os treinadores de Hóquei em Patins? Guardarmos as coisas individualmente? Nas outras modalidades isso não se verifica... Que pensas disto?

LG Só com uma partilha de conhecimentos e saberes poderemos evoluir enquanto modalidade. Sinceramente acho que não existe esta partilha no HP, e tu infelizmente tiveste oportunidade de constatar isso. Para colmatar penso ser muito importante esta questão, pois é uma ajuda podermos retirar ideias de exercícios, jogadas, actividades de outros treinadores, mas sempre com a noção de que temos de adaptar à nossa realidade, às características dos nossos atletas, aos nossos princípios de jogo.

THP - Será possível dentro algum tempo vermos uma equipa sénior masculina a ser comandada por uma treinadora? Como seria a reacção dos jogadores e do próprio público? Estará o mundo hoquista preparado para tal?

LG Como já disse numa questão anterior, infelizmente ainda existe muito preconceito e discriminação no HP. Tenho dúvidas de que isso possa acontecer num futuro relativamente próximo, mas ficaria muito feliz se um dia puder visualizar essa situação. Acredito que essa treinadora teria de gerir com uma dificuldade acrescida e redobrada bastantes desafios. Não seria tarefa fácil!

THP - Fala-nos agora um pouco sobre este teu novo projecto na APP? E dos seus objectivos/propósitos?

LG Este novo projecto da APP está a dar os seus primeiros passos na divulgação da modalidade e tem como principal objectivo fazer a captação de jovens atletas (sub 15) e motivá-las para a prática do HP. Para muitas atletas não é fácil treinar e jogar só com rapazes. Nestas idades é isso que acontece e se não houver uma motivação extra acabam por desistir. Ao fazer visualização de jogos apercebi-me também de treinadores que estão tão fixados nos resultados finais, que nunca dão o tempo de jogo que seria aconselhado e desejável para um melhor desenvolvimento hoquista, nestas faixas etárias. Este projecto está a ajudar-me a repensar novas formas de potenciar o Hóquei e assistir a realidades desconhecidas. Tento dar o meu contributo ao Hóquei em Patins e em particular ao Hóquei feminino.

THP - Qual a tua opinião acerca do blogue THP? 

LG  É, sem dúvida, uma mais-valia para o Hóquei em Patins e, acima de tudo, proporciona momentos de reflexão. Obrigada pelo teu excelente trabalho.

Pessoalmente agradeço-te muito a disponibilidade e prontidão com que acedeste ao convite do blogue THP e aproveito para te desejar muitas felicidades e muitos sucessos para todos os teus projectos.

sábado, 16 de abril de 2011

APRENDIZAJE Y ENSEÑANZA DE LAS HABILIDADES CON PATINES

Resumo:

A partir del modelo conceptual que identifica las habilidades de los deportistas en función del entorno con el que interactúan, de los objetivos a alcanzar y de los instrumentos que se utilizan, se ha abordado el aprendizaje y la enseñanza de las habilidades básicas con patines. 
En las habilidades básicas, el equilibrio en el medio es esencial, pero los patines introducen variabilidad en la relación con el medio y, por lo tanto, dominar las habilidades con patines requiere un largo periodo de aprendizaje. 
Para acercarnos a la comprensión del aprendizaje de estas habilidades hemos entrevistado a practicantes expertos (skaters) y entrenadores de patinaje con experiencia en la iniciación del patinaje artístico y del hockey patines. 
A partir de las opiniones de los expertos, se pueden deducir algunas pautas para la enseñanza eficaz de las habilidades con patines.

Clique na Imagem para aceder ao estudo.
Fonte:
Núm. Registro: 585107 
Autores: Vila, Ramón; Guitart, Núria; Riera, Joan; Díaz, Jordi 
Título: Aprendizaje y enseñanza de las habilidades con patines 
Título en Inglés: Learning and teaching of basic roller skating skills 
ISSN: 1577-4015 
Datos Fuente: 2007, (90): 27-32, 14 Ref 
CopyRight: © CSIC. Base de Datos ISOC. Todos los derechos reservados. 

quarta-feira, 13 de abril de 2011

QUAL O ÂNGULO CORRECTO? QUE POSIÇÃO IDEAL A ADOPTAR NA EXECUÇÃO DE UM GESTO TÉCNICO ESPECÍFICO DO HÓQUEI EM PATINS?



O blogue THP dispõe actualmente de um software que permite analisar ao pormenor todos os ângulos de movimentação de um atleta em diferentes fases de um jogo e em diferentes gestos técnicos (ver imagens acima).

Para tal necessitamos de vídeos de jogadores de hóquei em patins em diferentes momentos para que possamos realizar um trabalho mais sério de observação e análise.

Neste sentido pedimos a todos aqueles que tiverem vídeos, preferencialmente vídeos curtos e não de jogos completos, que nos façam os mesmos chegarem ao nosso e-mail treinadoreshp@gmail.com.

Pensamos começar a analisar o ângulo dos membros inferiores aquando da execução de uma remate batido, preferencialmente partindo de uma posição estática, como por exemplo na marcação de uma grande penalidade, tal como podemos observar nas imagens acima.

Se nos fizerem chegar uma boa quantidade de vídeos desta situação, poderemos à posterior analisá-la e quiçá depreender algumas conclusões nomeadamente como variam os ângulos dos membros inferiores dos atletas na execução de uma remate batido no Hóquei em Patins.
No entanto, podem também fazer-nos chegar vídeos com outros tipos de gestos técnicos do Hóquei em Patins, tais como: passe, remate enrolado, etc.
Outra situação que seria interessante analisarmos, seria a posição do GR em determinadas posições ou situações.
Contamos com o vosso apoio para que possamos levar este trabalho adiante a posteriormente ir dando conta da nossa análise e resultados aqui no blogue THP para conhecimento de todos. Esses dados poderão depois ser muito úteis.

domingo, 10 de abril de 2011

5 ANOS DE EXISTÊNCIA - BLOGUE THP

12 de Abril de 2011 é sinónimo de 5 anos de existência do Blogue THP (Treinadores Hóquei em Patins).

Começamos este blogue primeiramente como hptreinadores em www.hptreinadores.blogspot.com, mas como fomos crescendo em termos de tudo ao longo destes 5 anos tivemos de passar o blogue para treinadoreshp em www.treinadoreshp.blogspot.com (actual), para que pudéssemos dar uma resposta mais adequada a todos.


Curioso é o título da nossa 1ª publicação como se pode verificar na imagem acima apresentada “O CULTO DE UMA NOVA MENTALIDADE DO TREINADOR”…


Talvez seja o único que acreditasse desde inicio que o blogue THP poderia alcançar esta longevidade, uma vez que as linhas com que sempre nos pautamos foram de uma aposta séria em publicações sérias e que em nosso entender são importantes em vários âmbitos.


Sabemos que estamos condenados ao fracasso e que um dia o blogue THP deixará de ser actualizado, mas fechá-lo ou eliminá-lo não está nosso horizonte, uma vez que mesmo não sendo actualizado, o blogue THP poderá sempre existir com o que já possui como forma de consulta e de pesquisa.


Cada vez mais é difícil manter o “nível” de publicação do blogue THP, porque a ajuda voluntaria que temos tido tem sido muito pouca. Devemos ser ainda uma das únicas modalidades onde a classe dos treinadores pouco partilha, apesar de esta mesma classe onde eu me incluo ter muitos treinadores que se dizem senhores e donos de todas as sabedorias que estão inerentes nesta modalidade.


Todos temos falta de tempo é certo e também sabemos que a boa vontade e a humildade de partilhar não está ao alcance de todos.


Temos a satisfação plena de sabermos que blogue THP é visto um pouco por todo o mundo, (14 países até à data) existindo mesmo dias em que há um registo de página view maior do estrangeiro do que de Portugal.


Não temos contrapartidas financeiras por manter este espaço aberto e actualizado, ao contrário do que alguns pensam. É puro voluntariado em prol de uma paixão e de uma modalidade. A mais não somos obrigados.


Neste meio tão pequeno, onde todos praticamente conhecem todos, nunca é demais relembrar-mos que não estamos sozinhos e que existem parceiros que fazem um trabalho ainda mais “rico” que o nosso que nos têm ajudado ao longo destes últimos anos na nossa divulgação, sendo eles aqui relembrados de forma aleatória: Mundook, Cumhoquei, Cartão Azul, Patins Lover e ANTHP. A todos eles o nosso obrigado.


Queremos também endereçar um agradecimento ao HC Turquel que foi o 1º clube de hóquei em patins de Portugal a convidar-nos para participar num simpósio realizado em Setembro último.


Obviamente também envia-mos um obrigado a todos os que visitam o blogue THP e a todos aqueles que já contribuíram para que o blogue THP ficasse mais rico.


No que respeita ao objectivo do blogue THP, esse continua intacto tal como desde o 1º da nossa existência, que é ter zero visitas diárias, pois isso seria sinónimo que existiriam mais espaços do género e com mais qualidade e pertinência que o blogue THP.


As nossas publicações continuarão a ser semanais, existindo semanas onde possam existir duas publicações, mas mais do que isso não. Pois esta é uma linha orientadora que traçamos desde inicio e que nos permite manter a qualidade das nossas publicações.


Provavelmente existirão semanas onde não existirão publicações por motivos profissionais e/ou académicos.


Sabemos que tudo o que o blogue THP fez até ao momento é muito pouco, mas certamente é um muito pouco que muitos nunca terão coragem de o fazer.


Aos que já nos expressaram opinião no sentido do blogue THP ter uma estética pouco agradável, de algumas publicações ter a letra A ou B, etc., apenas informamos que em relação a isso não mais podemos fazer porque os nossos conhecimentos neste âmbito não nos permite.


O Administrador do Blogue THP
Hélder Antunes

segunda-feira, 4 de abril de 2011

MANDAMENTOS DE UM TREINADOR...

1. Sê respeitoso

* Significa que todo o grupo, incluindo jogadores, deverá ser simpático e prestável para o público, para o "chauffeur", jornalistas, etc. É especialmente importante que eles, jogadores, não ataquem verbalmente os colegas, não provocando assim, danos na harmonia colectiva.


2. Crê nos teus jogadores e nos teus sentimentos

* Não critiques os teus jogadores excessivamente, acredita neles.
Da mesma forma, deverás crer na tua intuição e ignorar o público e a imprensa, na hora de tomar decisões.
Prepara tudo isto cerebralmente e junta-lhe aquilo que sentes quando começar a acção. Terás o cozinhado ideal.


3. Mantém a tua distância

* É necessário para o técnico manter certa distância para os jogadores.
Eles nunca poderão ser, pelo menos dentro do clube, seus amigos íntimos.


4. Aprecia as características particulares

* Certos atletas têm uma grande ânsia de vencer, por vezes exagerada.
Temos que reconhecê-los e aceitá-los, dando-lhes uma preparação adequada. Sempre, é claro, dentro de normas e ideais do colectivo, previamente definidos.


5. Aprende com os erros próprios

* É importante que o treinador encontre algo positivo, até nos fracassos.


6. Protege as tuas estrelas

* Estrelas débeis tornam o grupo débil.
Assim, e porque as estrelas estão sempre sob grande pressão, é-lhes muito importante manter esse seu status, devendo o treinador ajudá-lo.


7. Nunca mintas

* Quando prometeres algo, cumpre.
Doutra forma perderás a credibilidade e......acabou!


8. Evita ciúmes e invejas
 
* É vital que todos conheçam os papéis de todos, dentro da estrutura.
A inveja e o ciúme provocará mais tarde ou mais cedo danos no grupo.


9. Mostra firmeza

* É importante que o treinador nunca mostre debilidade.
A sua expressão facial deverá ser de dar segurança aos seus atletas.


10. Controla o stress

* Tenta ignorar as expectativas alheias, fazer muitos meetings ou encontros, e nunca leves o futebol para casa, nem para os amigos.

11. Escolhe um bom staff

* Como treinador principal precisas de boas pessoas à tua volta.
Pessoas que possam oferecer uma grande variedade de experiências e muito equilíbrio.
Pessoas sérias e credíveis. Um "yes-man" não te é aconselhável.