quinta-feira, 25 de setembro de 2014

HÓQUEI EM PATINS: A AGILIDADE NO GUARDA REDES - LA AGILIDAD EN EL PORTERO DE HOCKEY


"La agilidad es la capacidad de ejecutar movimientos no cíclicos con diferentes direcciones y sentidos, de la forma más rápida y precisa posible"

En el siguiente vídeo podéis ver un claro ejemplo de "agilidad" por parte del portero durante la ejecución de una falta directa.
Observamos que la posición inicial es cuclillas y la final es tumbado sobre su lado izquierdo, pero antes de llegar a esta posición final ha realizado una "pantalla" y un "paso de valla". 
Los ejercicios de agilidad en el portero de hockey son de gran importancia tanto para reaccionar como para fintar ante la acción de cualquier jugador. Como la agilidad va unida a los cambios  de dirección y sentido del cuerpo es de vital importancia enseñar correctamente la técnica de nuestros porteros para que tengan la capacidad de poder cambiar de posición y de acción rápidamente. 
Si permitimos que los porteros sólo estén con el apoyo de una rodilla en el suelo en los entrenamientos sin proponerles los cambios a otras posiciones (cuclillas, media salida, sentados) o acciones de parada (laterales, paso de valla, pantalla) seremos los responsables de que en el futuro no tengan todos los recursos necesarios para poder ser ágiles y rápidos en sus movimientos. 
Espero que este vídeo os ayude a reflexionar.

FONTE: Paco Gonzalez in
http://pacogonzalezhoqueiporters.blogspot.pt/2014/04/blog-post.html

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

HÓQUEI EM PATINS: TÉCNICA, TÁTICA, FÍSICO E MENTAL DESDE… SEMPRE


Quatro componentes essenciais para quem deseja “formar” atletas de hóquei em patins: técnica, tática, físico e mental. Idade para iniciar este trabalho? Desde o primeiro treino, quer tenha 2, 3, ou 7 anos. Mesmo ainda durante os treinos de iniciação à patinagem? Sim, claramente sim.
Considerando que o treinador/monitor planifica e estrutura todas as sessões de trabalho e que é competente para saber orientar as especificidades técnicas de aprendizagem à idade dos atletas, bem como as questões táticas, físicas e mentais. O trabalho a ser realizado com um atleta de 3 anos será diferente do trabalho a realizar com um atleta de 7 anos por exemplo. Quanto mais cedo estas quatro componentes começarem a ser trabalhadas e desenvolvidas, maior será a probabilidade de formarmos atletas de hóquei em patins com qualidade.
Possuir a noção clara que nem todos os atletas farão carreira no hóquei em patins, que cerca de 20 a 30% abandonará a modalidade antes de chegar a sénior e que provavelmente só 2% chegará à alta competição (número otimista).
Do ponto de vista MENTAL penso que se deve preparar o atleta para suprimir os fracassos e as adversidades (derrotas), criando-lhes noções reais das verdadeiras dificuldades que encontrarão ao longo das várias etapas da sua formação, em detrimento de prepará-los para as vitórias e para os sucessos. Pessoalmente considero um erro preparar os atletas, seja qual for a faixa etária, para as grandes conquistas. O caminho a percorrer é enorme. Talvez não haja outra modalidade com tamanho caminho a percorrer.
No que concerne ao trabalho físico, o mesmo poderá e deverá ser trabalhado desde sempre. Terá, é de ser completamente adaptado e ajustado à idade, à fisionomia e à vontade do atleta. Relembrar que o jovem atleta também necessita (e muito) de se divertir com a modalidade que pratica.
É fulcral (porque muitos ainda não o fazem), criarem um escalão intermédio entre a iniciação à patinagem e a 1ª equipa de (suposta) competição. É fulcral a iniciação ao hóquei em patins. Uma coisa é patinar e dominar a patinagem sem stick, outra coisa é dominar a patinagem com stick e executar elementos base do hóquei em patins com qualidade como por exemplo passa, receção, condução de bola e outra coisa é dominar tudo isto em situação de jogo, seja ele jogo formal ou reduzido/condicionado. Devemos neste “escalão intermédio trabalhar” as questões técnicas, táticas, físicas e mentais? Não tenho dúvidas que sim.
E a competição neste “escalão intermediário”? Há que redimensionar as regras, materiais e espaços de jogo de acordo com as idades. Chamem-lhe mini hóquei, hóquei mini ou outra coisa, mas há que redimensionar. Redimensionar de forma inteligente e criativa. Não é redimensionar só porque as outras modalidades o fazem ou porque italianos e espanhóis já o têm feito. Não poderemos esquecer as questões logísticas e financeiras que isso poderá (eventualmente) acarretar aos clubes. Redimensionar porquê? São inúmeras as vantagens e as desvantagens quase que não as conheço. Entre muitas e várias vantagens destaco o aumento da qualidade técnica do jogo e individual, o aumento da qualidade tática do jogo, o melhoramento do trabalho físico a realizar e a especificidade do trabalho mental. Ora lá está, técnica, tática, físico e mental! A maior parte da bibliografia existente e exemplos de outras modalidades apontam claramente nesse sentido.
Uma forma de executar um trabalho integrado a nível de treino semanal no clube, indo de encontro às quatro componentes supra citadas, não tenho dúvidas que uma das melhores formas de o fazer é através de JOGOS PRÉ DESPORTIVOS devidamente adequados para o hóquei em patins. Caberá a cada treinador adaptar à especificidade do seu grupo de atletas. O que resulta no clube A, poderá não resultar no clube B e o que resulta no clube C com a equipa A poderá não resultar com a equipa B.
Não há um padrão fixo a seguir, mas o sucesso para melhorar a “qualidade” individual dos atletas de hóquei em patins, ao nível das quatro componentes mencionadas, passa por aqui!


Opinião pessoal, Hélder Antunes

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

HÓQUEI EM PATINS: PRÉ-ÉPOCA - EXEMPLO DE UMA EQUIPA INFANTIL


Exemplo de uma proposta de pré-época de 4 semanas para uma equipa infantil de hóquei em patins. A pré-época poderá ser, ou é mesmo, a base de sucesso para toda a época desportiva

A pré-época ou período preparatório devem ter objetivos claramente definidos. O mesmo deve acontecer ao longo da temporada. É preciso reforçar a ideia que os objetivos são sempre adaptáveis e alteráveis ao longo da temporada. É necessário reformular sempre os mesmos e adequá-los à realidade que a equipa e os jogadores atravessam.

É FUNDAMENTAL TER A NOÇÃO QUE TREINAR/ORIENTAR UMA EQUIPA DE INFANTIS NÃO É A MESMA COISA A NÍVEL METODOLÓGICO, QUE TREINAR UMA EQUIPA SENIOR.

Alguns exemplos de objetivos gerais bem definidos para a pré-época:

- Nível Físico: Obter uma evolução progressiva e adequada de acordo com a idade.
- Nível Técnico: Melhorar a qualidade passe/recepção; Melhorar o remate de ambos os lados; Melhorar a condução de bola; Aperfeiçoar a qualidade da patinagem (deslize, travagem, mudanças de direção, etc)... Entre muitas outras mais.
- Nível Tático: Adquirir noções básicas de ocupação do espaço; Melhorar a postura defensiva; Melhorar a postura ofensiva; Introduzir a noção de jogo sem bola... Entre muitas outras mais.
- Nível Psicológico: Sentir prazer e felicidade na modalidade que pratica; Melhorar os níveis de concentração, auto estima, auto confiança, visualização e motivação dos jogadores, etc.

ORGANIZAÇÃO DA PRÉ-ÉPOCA

1ª Semana

Os grandes objetivos nesta fase, penso que são o “fortalecimento” de um espírito de grupo forte e proporcionar boas aprendizagens  aos atletas em várias vertentes do treino. 

Realizar um trabalho analítico ao nível do passe/receção; condução de bola; remate.  É importante a realização de um trabalho ao nível de jogos condicionados e/ou reduzidos. Nesta 1ª semana os atletas podem e devem ter muitos minutos de jogo de hóquei em patins, mas nunca em situação de jogo formal.

É importante desde o 1º treino ter em atenção as questões de lateralidade.

Os atletas são quem "marcam" o ritmo de progressão e de aprendizagem. O treinador não pode acelerar processos de aprendizagem, sem antes verificar que outros processos básicos estejam perfeitamente dominados pelos atletas.
2ª Semana

Incidir o trabalho sobre os mesmos "itens" trabalhados na 1ª semana, mas aumentando o grau de exigência aos atletas. É importante criar diversos exercícios diferentes para o mesmo objetivo.

Começar a introduzir de forma gradual o jogo formal de hóquei em patins.

3ª Semana

Pessoalmente penso que o ideal na 3ª semana de treino será realizar 3 ou 4 jogos treino. Isso permitirá dar ritmo competitivo a todos os jogadores, mas acima de tudo, permitirá que o treinador avalie o trabalho já desenvolvido até então e permitirá que as próximas semanas de treino sejam planeadas em conformidade com as reais necessidades dos atletas.

Resumindo, é um boa semana para o treinador tirar apontamentos e fazer ajustes.

4ª Semana

Mediante a evolução da equipa e mediante os ajustes que o treinador verificou serem necessários realizar na equipa, os treinos devem ser programados de função desses ajustes a fim de melhorar a performance individual dos jogadores e a performance coletiva da equipa.


NOTAS:
1- esta publicação é meramente pessoal e passível de concordância ou não por parte dos leitores cabendo aos mesmos avaliar a sua pertinência.
2- frisar que se trata de um exemplo para uma equipa infantil de hóquei em patins. Este tipo de exemplo não se adequa em nossa opinião a uma equipa senior.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

HÓQUEI EM PATINS: PRÉ-ÉPOCA - EXEMPLO DE UMA EQUIPA SÉNIOR

Foto de Pedro Alves, mundook.net
Exemplo de uma proposta de pré-época de 4 semanas para uma equipa sénior de hóquei em patins. A pré-época poderá ser, ou é mesmo, a base de sucesso para toda a época desportiva

A pré-época ou período preparatório devem ter objetivos claramente definidos. O mesmo deve acontecer ao longo da temporada. É preciso reforçar a ideia que os objetivos são sempre adaptáveis e alteráveis ao longo da temporada. É necessário reformular sempre os mesmos e adequá-los à realidade que a equipa e os jogadores atravessam.

Alguns exemplos de objetivos gerais bem definidos para a pré-época:

- Nível Físico: Obter uma excelente condição física;
- Nível Técnico: Potencializar as qualidades técnicas dos jogadores;
- Nível Tático: Assimilar o tipo de jogo (modelo de jogo);
- Nível Psicológico: Melhorar os níveis de concentração, auto estima, auto confiança, visualização, motivação dos jogadores, etc.

Atendendo à realidade mais generalizada das equipas seniores de hóquei em patins, expomos de seguida um exemplo de organização da pré-época com uma sessão de treino diária.

ORGANIZAÇÃO

1ª Semana

O grande objetivo nesta fase, penso que é o “fortalecimento” de um espírito de grupo forte. Vários estudos atuais demonstram claramente que equipas “psicologicamente fortes” alcançam maiores êxitos desportivos.
Nesse sentido, poderemos dividir a 1ª semana de trabalho da seguinte forma:

1ª Sessão – Testes físicos
2ª Sessão – Torneio de futebol intra- equipa
3ª Sessão – Treino aquático e jogos na água (piscina)
4ª Sessão – Torneio de basquetebol intra-equipa
5º Sessão – Caça ao Tesouro e/ou Pade papper e/ou atividades ao ar livre
6º Sessão – Torneio de hóquei em patins – jogos reduzidos ou condicionados
7ª Sessão? – Descanso

2ª Semana

1º Sessão – Repetição dos Testes físicos realizados na 1ª semana

Nas restantes sessões...
Pode-se realizar 2 ou 3 dias seguidos de trabalho aeróbico e no 3º dia começar com treino anaeróbico. Pode ser um trabalho realizado de patins ou de sapatilhas. Caberá a cada treinador decidir. Pessoalmente aconselhamos vivamente o uso de patins.

O trabalho de força (ginásio) deve também ser iniciado. Preferencialmente deve ser um trabalho em circuito e penso que uma boa referência para se iniciar este tipo de trabalho é com 50% da FMax (força máxima).

Iniciar os trabalhos com bola tendo os objetivos bem definidos como por exemplo: posse de bola, transições defesa-ataque e ataque-defesa, etc.

Integrar muito bem exercícios físico-técnicos com bola e iniciar também os chamados treinos de conjunto.

3ª Semana

O trabalho de ginásio deve ser mais intenso e o trabalho físico deve estar bem focalizado de forma a estar bem enquadrado com as exigências do hóquei em patins.

O volume e a intensidade de treino com bola devem aumentar significativamente. Se possível, as pulsações dos jogadores andar nos 160-170.

É uma boa fase para se iniciarem os jogos treinos. É importante os jogadores começarem a adquirir ritmo competitivo.

4ª Semana

Focalizar o trabalho físico para a velocidade de reação, de explosão, etc. O trabalho de ginásio deverá ser mais intenso.

Trabalho tático bem definido, para que os jogadores assimilem as "ideias" de jogo pretendidas.

Tentar realizar pelo menos 2 a 3 jogos treinos e começar a definir um cinco base.

NOTAS:
1- esta publicação é meramente pessoal e passível de concordância ou não por parte dos leitores cabendo aos mesmos avaliar a sua pertinência.
2- frisar que se trata de um exemplo para uma equipa senior de hóquei em patins. Este tipo de exemplo não se adequa em nossa opinião a uma equipa de formação.