quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

HÓQUEI EM PATINS: COMPETÊNCIAS DO TREINADOR GRAU II


SABERES

1. Tem conhecimentos sobre ética desportiva e deontologia profissional do treinador.

2. Tem conhecimento da modalidade desportiva adequado ao nível de intervenção.

3. Tem conhecimentos acerca das determinantes do processo de desenvolvimento desportivo do praticante a longo prazo.

4. Tem conhecimentos acerca dos diferentes estilos de ensino.

5. Tem conhecimentos acerca da formulação de objectivos de preparação e de competição.

6. Conhece diferentes modelos de planeamento anual do treino e as suas diferentes componentes.

7. Tem conhecimentos nutricionais aplicáveis à optimização do processo de treino e de competição.

8. Tem conhecimentos sobre os procedimentos de organização, gestão e avaliação do treino.

9. Tem conhecimentos acerca do processo de avaliação e controlo do treino e da capacidade de rendimento desportivo.

10. Tem conhecimentos sobre os procedimentos de organização e avaliação do desempenho da equipa técnica.

11. Tem conhecimentos elementares acerca do processo de formação de treinadores.

12. Tem conhecimentos que lhe permitem identificar talentos desportivos da modalidade e encaminhá-los convenientemente tendo em vista o processo de formação desportiva a longo prazo.

13. Tem conhecimentos que lhe permitem participar na análise e avaliação dos adversários e demais participantes na sua modalidade desportiva.

SABERES-FAZER

1. Utiliza técnicas e estratégias de comunicação adequadas às circunstâncias.

2. Dirige os praticantes na sessão de treino, assegurando o exercício das competências de ensino fundamentais (explicação, demonstração, observação e correcção).

3. Avalia o treino dos praticantes, analisando as atitudes, os comportamentos e os resultados alcançados.

4. Organiza competições não formais, criando condições de equidade de participação e valorizando o gosto pela modalidade e o espírito desportivo.

5. Organiza e orienta os praticantes na preparação e na participação na competição, assegurando as condições de segurança e a salvaguarda dos mais elevados valores éticos da prática desportiva.

6. Avalia os praticantes a equipa em competição, analisando as atitudes, os comportamentos e os resultados alcançados.

7. Participa na concepção do planeamento da actividade de treino e de competição.

8. Participa no recrutamento de praticantes para a prática da modalidade desportiva.

9. Promove o registo de toda a informação da unidade de treino e da competição, pertinente para a monitorização da carreira desportiva do praticante.

10. Aplica técnicas elementares de primeiros socorros e de suporte básico de vida e identifica os estados traumáticos que justificam o recurso a agentes especializados.

11. Participa na construção da carreira desportiva dos praticantes, zelando pelo respectivo desenvolvimento a longo prazo e promove o registo da informação pertinente para a monitorização da carreira desportiva do praticante.

SABERES-SER

1. Valoriza estilos de comunicação adaptáveis às circunstâncias.

2. Promove o comprometimento individual do praticante perante a equipa e o clube, bem como a fidelização à modalidade e à prática desportiva.

3. Desenvolve, nos praticantes, atitudes e comportamentos deliberados consentâneos com as exigências da prática desportiva a longo prazo.

4. Promove o espírito desportivo.
5. Promove o relacionamento interpessoal na prática desportiva, com vista ao desenvolvimento de um bom nível de colaboração, especialmente no que se refere ao suporte parental.

6. Adapta-se a diferentes culturas e contextos sociais desportivos.

7. Promove comportamentos e atitudes dignificantes do praticante desportivo.

8. Promove atitudes e comportamentos consentâneos com a função social que desempenha.


9. Promove, nos praticantes, a adopção duradoura de um estilo de vida saudável, consentâneo com a condição de desportista.

FONTE: Instituto Português do Desporto e Juventude http://www.idesporto.pt/conteudo.aspx?id=122&idMenu=53

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

HÓQUEI EM PATINS: COMPETÊNCIAS DO TREINADOR GRAU I


SABERES

1. Tem conhecimentos sobre o papel do desporto na formação pessoal, social e desportiva dos praticantes.

2. Conhece a relevância e os mecanismos da fidelização à prática desportiva a longo prazo.

3. Tem conhecimentos acerca da modalidade desportiva adequados ao nível de intervenção.

4. Tem conhecimentos precursores da criação de ambientes positivos de aprendizagem.

5. Conhece os métodos instrucionais em treino desportivo.

6. Conhece a estrutura da sessão de treino.

7. Tem conhecimentos elementares sobre os procedimentos de organização, gestão e avaliação do treino.

8. Conhece as etapas de desenvolvimento cognitivo, psicológico e motor, e as suas implicações para a prática do treino.

9. Tem conhecimentos elementares acerca das etapas de formação desportiva a longo prazo.

10. Tem conhecimentos básicos para a avaliação da execução das habilidades desportivas elementares.

11. Conhece os fundamentos de uma educação para a saúde.

12. Tem conhecimentos elementares sobre primeiros socorros e suporte básico de vida.

13. Conhece a estrutura da carreira de treinador desportivo e as respectivas exigências.

SABERES-FAZER

1. Utiliza técnicas e estratégias de comunicação em função das necessidades contextuais.

2. Organiza os praticantes, o equipamento e as infra-estruturas na sessão de treino, assegurando as necessárias condições de segurança.

3. Dirige os praticantes na sessão de treino, assegurando o exercício das competências de ensino fundamentais (explicação, demonstração, observação e correcção).

4. Avalia o treino dos praticantes, analisando as atitudes, os comportamentos e os resultados alcançados.

5. Organiza competições não formais, criando condições de equidade de participação e valorizando o gosto pela modalidade e pelo espírito desportivo.

6. Organiza e orienta os praticantes na preparação e na realização da competição, assegurando as condições de segurança e a salvaguarda dos mais elevados valores éticos da prática desportiva.

7. Avalia os praticantes e a equipa em competição, analisando as atitudes, os comportamentos e os resultados alcançados.

8. Participa na concepção do planeamento da actividade de treino e de competição.

9. Participa no recrutamento de praticantes para a prática da modalidade desportiva.

10. Promove o registo de toda a informação da unidade de treino e da competição, que seja pertinente para a monitorização da actividade desportiva do praticante.

11. Aplica técnicas elementares de primeiros socorros e de suporte básico de vida e identifica os estados traumáticos que justificam o recurso a agentes especializados.

SABERES-SER

1. Valoriza o recurso a formas de comunicação compreensíveis e acessíveis a todos os praticantes.

2. Valoriza o espírito desportivo em todos os ambientes e circunstâncias de prática desportiva.

3. Promove e dinamiza o sentido de responsabilidade e de autonomia dos praticantes.

4. Valoriza e encoraja atitudes e comportamentos proactivos dos praticantes.

FONTE: Instituto Português do Desporto e Juventude http://www.idesporto.pt/conteudo.aspx?id=122&idMenu=53

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

HÓQUEI EM PATINS - QUEM TREINA O TREINADOR?


O treinador, durante um treino, gesticula, fala individual ou coletivamente com os atletas, pára o treino, entra ou permanece no recinto de competição, retoma o treino, senta-se, levanta-se, passa a área de jogo e comunica para que todos o ouçam. Muitas das vezes num ambiente quase em silêncio! Para lá destas ações, temos assistido a uma evolução fantástica no treino desportivo e no conjunto de ferramentas que fornecem informações sobre os atletas e a equipa adversária. Metodologias, suportes tecnológicos, informáticos e psicológicos, mas, estranhamente, quase todas eles direcionados para o atleta.

Afirmamos estranhamente, porque cresce o número de funções e exigências para um treinador, mas tal processo não tem sido acompanhado de mais ferramentas focadas em si. Hoje um treinador antes, durante e após o jogo tem um manancial de informação, relatórios, análises, mas isso não melhora obrigatoriamente o seu desempenho na relação com os atletas.

O treinador é analisado cada vez mais na forma como atinge os seus resultados. Como lidera, decide, comunica, gere. Está obrigado a melhorar um conjunto de competências como a forma de motivar, comunicar, liderar, decidir, reconhecer os seus atletas e equipas. Se o saber agir do treinador influencia em muito, não só as relações com o atleta, mas também aquilo que os jogadores são capazes de interpretar e executar, não deve ser este um ponto fundamental para que o treinador treine e melhore? Mais uma vez, estranhamente, a grande maioria das abordagens das relações treinador–atleta centram-se nos problemas de caráter psicológico revelados pelos atletas e esquecemo-nos que o treinador exige igual análise. A menos que se considere que o treinador está apto para todas as exigências!

Não existe um perfil único nem ideal de treinador. Tipo super-herói que sabe tudo e não se incomoda com nada. Existem sim comportamentos e caraterísticas que aumentam a capacidade do treinador atingir com mais eficácia os seus objetivos. Umas são as ferramentas relacionadas com a sua experiência, conhecimento técnico, tático, outras são ferramentas focadas na sua tomada de decisão, comunicação, gestão, liderança, justiça e compromisso.


Terá lógica que estas competências que tanto influenciam o seu desempenho e dos atletas estejam dependentes da sua capacidade de autoanálise? Não está em causa a vontade do treinador querer melhorar. Está na forma! É possível constatarmos que inúmeros técnicos cada vez mais se diferenciam para lá do conhecimento que têm do jogo. Pelas competências comportamentais que conseguem aplicar em si e nos que o rodeiam. E tal como para um atleta, que por muito forte física ou tecnicamente que seja, precisa de trabalhar arduamente, também um treinador precisa de treinar e ser treinado muito arduamente.

FONTE: http://www.record.xl.pt/opiniao/artigos/interior.aspx?content_id=835268