segunda-feira, 24 de julho de 2017

FÉRIAS 2017 - ATÉ SETEMBRO...


Como é habitual, o blog THP - Treinadores de Hóquei em Patins, entra no seu habitual período de férias. Até setembro não haverá novas publicações, no entanto, convidamos todos os leitores a reverem algumas das nossas publicações. Para ajudar na pesquisa sobre o tema que pretendem consultar, podem utilizar a nossa barra "ETIQUETAS", que se encontra do lado direito do blog.
Prometemos retemperar energias e voltar em força para a nossa 12ª época consecutiva a publicar neste blog. 
Blog THP, provavelmente o blog português de hóquei em patins mais antigo a realizar publicações de forma consecutiva... Desde 2006.
Boas férias a todos... 

segunda-feira, 17 de julho de 2017

FORMAÇÃO DE TREINADORES DE HÓQUEI EM PATINS - NÚMEROS QUE NÃO VALEM NADA

(Foto retirada e adaptada da FPP)

Os dados e os números que seguidamente são apresentados não têm qualquer relevo, significância ou carácter científico. O valor é atribuído por cada leitor e são passíveis de todas as críticas e risotas.
Durante 4 meses recolhemos opinião de muitos treinadores de hóquei em patins (122 no total), do norte aos arquipélagos. Tudo treinadores de renome na modalidade, pois em nosso entender, todos os treinadores de hóquei em patins são treinadores de renome, uma vez que sem a sua dedicação e carolice a modalidade não existiria da forma como existe. Muitas pessoas ainda não perceberam a importância do treinador de hóquei em patins na modalidade. Esta opinião foi recolhida pela via presencial e online.
Não podemos tirar quaisquer conclusões disto, mas podemos tirar ilações para não sermos surpreendidos com lições.
Vamos aos números que não são convertidos em percentagens, senão poderia assustar um pouco.

N = 122

- 118 treinadores não concordam com a forma como se processam as renovações dos títulos profissionais de treinadores

- 95 treinadores acham que as formações de renovação dos títulos profissionais de treinadores têm custos insuportáveis

- 43 treinadores não realizaram quaisquer unidade de crédito

- 39 treinadores pensam seriamente em abandonar a atividade de treinador já no inicio da época 2017/2018

- 58 treinadores já realizaram mais de 5 unidades de crédito até Junho de 2017

- 27 treinadores pensam em realizar as 10 unidades de crédito até 2018 e depois da renovação, cessar a atividade de treinador de hóquei em patins

- 12 treinadores perspectivam realizar várias renovações do título profissional de treinador

- 105 treinadores desejariam ter mais formações especificas da modalidade

- 97 treinadores consideram que as ações creditadas são um negócio e não uma forma de melhorar a formação dos treinadores de hóquei em patins

Aconselhamos os leitores a não realizarem as proporções para percentagem, porque os números aí obtidos poderão assustar um pouco. Relembramos novamente que estes números não têm quaisquer validade.
Adicionalmente informamos que os 122 treinadores são todos de nacionalidade portuguesa e a exercer a atividade de hóquei em patins.
A questão que será interessante analisar é se o número de treinadores de hóquei em patins a partir de 2018, em atividade, irá aumentar, diminuir ou manter-se igual, tendo em conta o número atual (nacional) de equipas e clubes…


FONTE: Blogue THP

domingo, 9 de julho de 2017

ÍNDICES DE ACTIVIDADE FÍSICA EM ALUNOS QUE PRATICAM PATINAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR.


BREVE INTRODUÇÃO

O presente estudo mediu os Índices de Actividade Física (IAF) dos alunos praticantes de Patinagem (sobre rodas) no âmbito do Desporto Escolar.
Os objectivos deste estudo foram os seguintes: (1) Caracterizar o Índice de Actividade Física em Patinadores Escolares; (2) - Verificar a diferença dos Índices de Actividade Física dos Praticantes de Patinagem Escolar em função da prática desportiva extra-escola, do sexo, do tempo de prática, da idade e do ano e nível de escolaridade.
A amostra foi constituída por alunos praticantes de Patinagem no âmbito do Desporto Escolar, com idades compreendidas entre os 10 e os 13 anos de idade, pertencentes a escolas do Distrito do Porto, da Região Norte de Portugal.
A metodologia usada foi descritiva, obtendo-se assim valores sob a forma de como a prática de Patinagem sobre rodas no âmbito do Desporto Escolar influencia os Índices de Actividade Física (IAF).
Os procedimentos estatísticos utilizados foram a análise das medidas de tendência central e de dispersão: média e desvio padrão; as provas de diferencia entre grupos: T de Student e ANOVA; Regressão Linear. O nível de significância foi mantido em 5% e o software estatístico utilizado foi o SPSS.

ALGUMAS CONCLUSÕES

Quando se compararam os resultados obtidos relativamente ao sexo, tudo indica que o Índice de Actividade Física (IAF) não varia significativamente. No entanto poderá existir uma tendência positiva, tendo em conta a significância de p = 0,079 ser um valor próximo de p < ou = 0,05 (significativo). Embora o sexo masculino apresente valores ligeiramente superiores aos do sexo feminino, estes resultados não são estatisticamente significativos. Assim, não se verifica a nossa Hipótese 1 (H1) - Existem diferenças nos IAF segundo o sexo entre os Patinadores Escolares.

Os resultados obtidos relativamente à idade indicam não existir qualquer influência significativa com o Índice de Actividade Física (IAF) dos Patinadores Escolares. Assim sendo não se verifica a nossa Hipótese 2 (H2) - O aumento da idade nos Patinadores Escolares diminui o IAF.

Quanto ao nível de escolaridade e ao ano de escolaridade não foram obtidos quaisquer resultados estatisticamente significativos com o Índice de Actividade Física dos Patinadores Escolares, o que assim comprovam as nossas Hipóteses 3 e 4 (H3) - Não existem diferenças no IAF segundo o Nível de Escolaridade entre os Patinadores Escolares. (H4) - O Ano de Escolaridade não influencia os IAF entre os Patinadores Escolares.

Pelos resultados obtidos (para a variável pratica desporto extra-escola), comprova-se que as modalidades praticadas pelos participantes extra-escola não aumentam significativamente o Índice de Actividade Física dos Patinadores Escolares, o que nos leva a afirmar que não se verifica a nossa Hipótese 5 (H5) - A Prática Desportiva aumenta o IAF nos alunos praticantes de Patinagem Escolar.

O facto de ser considerado pratica de desporto extra-escola como uma actividade devidamente organizada e orientada, pode indicar uma tendência para que a actividade física não organizada apresente frequências de participação mais elevadas, podendo influenciar os Índices de Actividade Física (IAF).

O tempo de prática de patinagem escolar aumenta o Índice de Actividade Física, o que indica que quanto mais prolongada e contínua for a prática desta modalidade no âmbito do Desporto Escolar, maior é o Índice de Actividade Física dos seus praticantes. Desta forma, verifica-se a nossa Hipótese 6 (H6) - O Tempo de Prática de Patinagem Escolar aumenta o IAF dos alunos praticantes, verificando-se um maior IAF nos alunos que praticam Patinagem Escolar há mais tempo.

A verificação do tempo de prática de Patinagem Escolar efectuou-se em meses e de acordo com os resultados obtidos tudo indica que o aumento de 1 mês ao tempo de prática de Patinagem Escolar, implica o aumento de 0,081 pontos no Índice de Actividade Física, logo, vai também de encontro à bibliografia analisada e existente que aponta para as vantagens da prática de Patinagem.

Tendo em consideração os benefícios da Actividade Física no aumento da qualidade de vida e as vantagens da prática de Patinagem sobre rodas, nomeadamente a sua enorme importância para a melhoria do equilíbrio e demais importantes capacidades na formação geral da criança e do adolescente, justifica-se plenamente a inserção da prática da Patinagem sobre rodas no plano de formação das crianças e adolescentes, nomeadamente no âmbito escolar.

Um dos problemas dos modos de vida da actualidade é a inactividade das nossas crianças e jovens. Children no longer ride their bikesprograms in the country are shifting to fitness based programs. Vários estudos têm mostrado that children who participate in regular physical activity are more likely to continue que as crianças que possuem Actividade Física regular são mais propensas a continuar or resume exercise as adults. a exercer os mesmos hábitos em adultos. Muitos destes hábitos irão durar uma vida inteira. A prática da Patinagem sobre rodas poderá ser uma forma de incentivar as crianças de jovens a adquirirem esses hábitos de Actividade FísicaFor these.

Pelos resultados deste estudo em que se verificou uma influência significativamente positiva entre o tempo de prática de Patinagem e os Índices de Actividade Física de alunos entre 10 e 13 anos de idade praticantes de Patinagem sobre rodas no âmbito do desporto escolar, indica-se a prática deste desporto como um excelentecomponent of the fitness based program. componente da base do programa desportivo de crianças e jovens. Inline skating is a highly effective method of aerobic activity.A Patinagem sobre rodas, para além de ser uma modalidade atractiva e que está na moda, é um método altamente eficaz de actividade aeróbica.

Resumidamente, explanamos de seguida as principais conclusões do nosso estudo:
(1) Os Patinadores Escolares no âmbito do Desporto Escolar possuem um IAF superior aos alunos que não praticam Patinagem, quando comparados com outros estudos;
(2) Os sujeitos do sexo masculino apresentam valores ligeiramente superiores ao sexo feminino no IAF, mas estes resultados não são estatisticamente significativos no nosso estudo;
(3) A idade dos Patinadores Escolares também não tem uma influência significativa no IAF;
(4) O nível de escolaridade, o ano de escolaridade, a prática desportiva extra-escola e as horas de prática semanal de patinagem escolar não influenciam o IAF;
(5) O tempo de prática dos Patinadores Escolares influencia significativamente o IAF. O aumento de 1 mês no tempo de prática de patinagem escolar aumenta em 0,081 pontos o IAF.


FONTE: Hélder Antunes, 2011, in Mestrado de Investigação em Atividade Física, Desporto e Saúde 

NOTA: Texto da publicação não respeita o novo acordo ortográfico